domingo, 5 de fevereiro de 2017

Desculpe a bagunça



Rodolfo Pamplona Filho

Desculpe a bagunça
Ainda há vida livre
nesse espaço fechado

Desculpe a bagunça
Não medimos esforços
para ser nós mesmos

Desculpe a bagunça
Nossos filhos estão
construindo nossa história

Desculpe a bagunça
Para nós, ela é
nosso habitat natural.


Salvador, 24 de dezembro de 2016.

2 comentários:

  1. Acho q podemos associar o poema a tres "ambientes": lar, cabeça e coracao 😊

    ResponderExcluir
  2. Eu brigando com alguem enqto a linguagem gestual da minha mao, com a ajuda do polegar e do dedo indicador, simboliza uma arma: -nao brinque com meu coracao, ele é como um filho pra mim😡. Rsrsrs

    ResponderExcluir