terça-feira, 19 de outubro de 2010

Desestruturação Produtiva

Desestruturação Produtiva
Rodolfo Pamplona Filho

Eu não sei mais quem é meu chefe
Eu não sei mais quem é meu patrão
Recebo ordens de todos os lados
Mas não sei quem me dá o pão...

Já fui parte da organização:
o orgulho da minha seção,
mas a tal reengenharia
alterou a filosofia...

Falam de flexibilização
Em um mundo globalizado
Só que deixaram todos na mão
sem olhar para o lado...

Realmente tudo na China
é produzido mais barato.
Vendem aqui mesmo na esquina
Sem se ater a um simples fato

Que o que nos leva a ser feliz
é ter uma vida normal
e não ser aprendiz
de um dumping social

Todo o sistema mudou...
Não faz sentido falar em nação...
Graças a isso, virei consumidor
não sou mais povo, nem cidadão

A mídia nos transformou em público,
que pagou e quer o serviço
não se fala mais em direito,
nem se pensa em compromisso...

A era do emprego já passou...
O que se quer é flexsegurança
Em que consumido eu é que sou
E o Estado cuide dos que não têm esperança...

Por que subordinação, e não dependência?
Quem disse que necessidade é indecência?
Por que cada um cuidar do seu e nada mais?
E, depois, o Estado é que exclui os marginais...

O espelho precisa realmente se quebrar
e se converter em um multifacetado cristal
para olhar o outro sem repúdio ou pesar
e recuperar aqueles que sofrem o mal

Já mudei de nome várias vezes,
como mudo de empresa em poucos meses
Fui temporário, estagiário,
Cooperado, terceirizado

Já fui PJ, já fui parceiro
Fui colaborador, já fui meeiro
Fui precário, em experiência
Fui autônomo ou outra crença

Fui mobília da casa, tombado,
Membro da família, agregado
Dependente ou parassubordinado,
só não deixei de ser explorado...

Ciudad Real, 16 de setembro de 2008

4 comentários:

  1. Excelente reflexão!
    Qual a exata dimensão das novas formas de prestação de serviço?
    Não podemos fechar os olhos ou negar as mudanças no mercado de trabalho e seus reflexos nas relações de trabalho, mas, não podemos esquecer
    a essência do direito do trabalho, o caminho percorrido pelos trabalhadores no reconhecimento de direitos e garantias mínimas.
    A terceirização e demais formas de flexibilização não podem servir como justificativa para a discriminação e precarização da força de trabalho.
    Os trabalhadores não podem ser vistos como meros instrumentos da cadeia produtiva, no entanto, não é isso que acontece na prática, na medida em que trabalhadores são contratados num envoltório falacioso de cooperados, terceirizados, prestadores de serviço, etc,etc...
    Uma exploração decorrente da necessidade de sobrevivência, pois como já cantava Gonzaguinha, o homem sem trabalho não tem honra...

    ResponderExcluir
  2. Perfeito!
    Foi exatamente o que eu quis dizer!
    Abraços saudosos,
    RPF

    ResponderExcluir
  3. Poema de Alto nível! = Conhecimento + Paixão!

    De fato, o princípio da proteção em sua acepção filosófica, mal emergiu no mundo do direito trabalhista, e já tem seu alcance adelgaçado por motivações manifestas em contemplar um ressurgido capitalismo ainda mais selvagem, tendo em vista a mundialização de suas fronteiras. Infelizmente, quem vai pagar essa conta é a base da pirâmide!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que tenha gostado do poema!
      Ele é realmente um dos meus favoritos!
      Veja-o recitado no meu canal no youtube! Confira aí no google: Canal Pamplona.
      Aguardarei suas impressões!
      Abraços,

      RPF

      Excluir