sexta-feira, 1 de março de 2013

Uma derradeira lição de amor

Uma derradeira lição de amor

Rodolfo Pamplona Filho

Para efetivamente saber
se realmente você
soube transmitir
tudo que o amor pode permitir,
pense se, ao partir,
você pode ter a convicção
de que, ao menos para uma mulher nesse mundo,
ensinou a mais bonita e importante lição
sobre o que é o amor verdadeiro...

Pois, se há muito a ensinar,
talvez uma única afirmação
seja suficiente para mostrar
qual é o sentido e a razão
de sinceramente acreditar
na força que vem do coração.

O amor que é plenitude,
porque é a total aceitação.
O amor que existe pelo que se é,
e não pelo que se idealiza
ou se deseja que fosse.


O amor que,
mesmo aparentemente
sem futuro ou esperança,
é a própria encarnação
de um sorriso de criança,
porque é, a um só tempo,
sossego, delírio e salvação.

O amor que se aprende sem doer
e que se ensina sem doutrinar
é o que permite salvar
alguém de ser apenas si própria
e da possibilidade de um dia ser só.


É o amor que lança e transforma,
sem receio de se perder,
mas sempre com a certeza
de nunca mais solidão ser.

Salvador, 23 de outubro de 2011.

2 comentários:

  1. Lindo professor, maravilhoso!!!O amor é tudo isso mesmo...Perfeito o poema! Bom final de semana!! -_-

    ResponderExcluir